Você tem Banco de Horas ?

5 minutos para ler

Um assunto muito comum nos corredores dos contact centers e call centers espalhados pelo Brasil é o Banco de horas. Como tratar essa questão de maneira correta e sem prejudicar as partes envolvidas “empresa e funcionários” é um tema muito discutido.

\r\n

Edilson Menezes escreveu um artigo de maneira brilhante colocando pontos importantes para os dois lados.

\r\n

Confira o artigo abaixo:

\r\n

 

\r\n

Você tem Banco de Horas ?

\r\n

 

\r\n

A pergunta se popularizou para expressar a quantidade de horas que o colaborador tem como crédito por ter trabalhado além do horário previsto. A empresa vai acumulando estas horas excedentes até que em dado instante deve pagar ou conceder folga.

\r\n

Em tese, a prática é justa. Ocorre que estamos no Brasil e embora eu seja muito otimista sobre o relacionamento entre empresários e colaboradores, devo reconhecer, embora um pouco envergonhado, que ainda temos muito a avançar. Na outra ponta do relacionamento, também é possível observar colaboradores que usam o banco de horas como ferramenta para prejudicar a empresa.

\r\n

Aqui e ali, numa ponta e outra da relação, o velho jeitinho brasileiro tem sido usado e o objetivo deste texto é gerar reflexões para que deixem de fazê-lo. Assim, peço a você que acompanha minha coluna: se concordar com os argumentos, faça este texto chegar até as mãos daqueles que são gestores em sua empresa. Vou partilhar 4 dicas para que a prática do banco de horas seja justa aos colaboradores e aos empresários:

\r\n

 

\r\n

Colaboradores

\r\n

    \r\n

  1. Não é razoável acabar o trabalho e ficar de bate-papo além do horário, com o propósito de enriquecer o banco de horas;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. Quando foi contratada, a pessoa sabia como a empresa funcionava. Ainda assim, aceitou o trabalho. Anos depois, ao deixar a empresa, mesmo tendo recebido todos os direitos trabalhistas, inclusive as horas acumuladas no banco, acionar a empresa na justiça é uma injustiça;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. Banco de horas não significa green card para atrasos, salvo casos em que a política da empresa seja de flexibilidade. Se há um acordo contratual que dita o horário, cumpri-lo é uma obrigação – e diga-se: pontualidade não é qualidade;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. Naquele feriado prolongado, sem avisar ou negociar, decidir por conta própria que vai ficar “um dia a mais” na praia, sob o pretexto de que tem horas de sobra no banco, pode custar o seu emprego.
  2. \r\n

\r\n

Empresários

\r\n

    \r\n

  1. Os conceitos de justiça e igualdade devem ser observados. Pedir ao colaborador que fique até tarde na sexta-feira para fechar o relatório é um direito, mas não pode cair no esquecimento. Quando o colaborador precisar sair mais cedo também numa sexta-feira, estabelecer que ele use o banco de horas somente entre terça e quinta-feira é injusto;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. Demissão é uma parte natural do relacionamento. Antes de demitir, entretanto, leve em consideração quantas vezes o colaborador se propôs a fazer sacrifícios pela empresa, algo que tende a ser esquecido assim que a performance produtiva do colaborador cai;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. É preciso agir conforme a lei e o acordo selado. Não use a arbitrariedade como critério, concedendo o pagamento ou a folga conforme a mudança de humor dos gestores;
  2. \r\n

\r\n

    \r\n

  1. Por último e mais importante: não use o banco de horas como ferramenta de punição. Já vi empresas que zeram todo o banco de horas, caso o colaborador tenha determinado número de atrasos por mês. Há relatos de outras punições semelhantes, algo que a lei não aprova e a cartilha do relacionamento saudável não autoriza.
  2. \r\n

\r\n

 

\r\n

A lei que prevê e regulamenta o banco de horas é nº 9.601/1998, mas a lei que prevê e regulamenta a saúde nas relações entre empresários e colaboradores também merece a sua atenção. E aí vai um recado final aos patrões…

\r\n

Trate com justiça aqueles que fazem o negócio prosperar. Ações inidôneas afastam, cedo ou tarde, as pessoas honestas e na mesma proporção, atrai as desonestas. Tenha sim um banco de horas em sua empresa, mas não permita que se torne um banco de horror.

\r\n

A escolha, como sempre, é apenas sua!

\r\n

Assista o Vídeo Aonde eu comento o Artigo Acima

\r\n\r\n

Edilson Menezes é treinador comportamental e consultor literário. Atua nas áreas de vendas, motivação, liderança e coesão de equipes. (edilson@arteesucesso.com.br)

\r\n

 

\r\n

Fonte: http://www.callcenter.inf.br/artigos/62818/voce-tem-banco-de-horas/ler.aspx

\r\n

 

\r\n

Como você acha que deve ser a relação do Banco de horas ? deixe seu comentário!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Share This
Navegação